O Ministério da Saúde, em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) e Combate à Fome, lançou a segunda versão da Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (Taco). O material é uma análise dos nutrientes que compõem os alimentos brasileiros. A tabela é um importante marco para a saúde no país, pois os parâmetros utilizados até o momento eram americanos. Com a tabela brasileira, será possível aprimorar as políticas públicas e ações dos profissionais ligados à alimentação e nutrição. O evento será realizado às 10h, no auditório do bloco A do MDS. A tabela analisa 23 componentes e características de cada alimento – umidade, energia (kcal), proteína, lipídeos, colesterol, carboidratos, fibra alimentar, cinzas, cálcio, magnésio, manganês, fósforo, ferro, sódio, potássio, cobre, zinco, retinol, tiamina, riboflavina, piridoxina, niacina e vitamina C. A primeira fase da tabela, lançada em 2004, trouxe informações sobre 198 alimentos. O novo material apresenta a composição de 250 novos alimentos, que serão somados aos 198 já pesquisados, resultando em um total de 448 alimentos pesquisados. O material traz a descrição de carnes, pescados, frutas, legumes, verduras, tubérculos e derivados. Arroz, feijão, macarrão, pão, torrada, milho, bolo, biscoito, óleo, manteiga, leite condensado, queijo, ovo, chocolate, café, pastel, acarajé e amendoim são alguns exemplos de alimentos disponíveis para consulta. O projeto Taco, coordenado pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação (Nepa) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e com financiamento dos ministérios da Saúde e do Desenvolvimento Social, é uma iniciativa pioneira para o registro de dados de um grande número de nutrientes em alimentos nacionais e regionais, a partir de análises laboratoriais controladas. Com a nova tabela, profissionais de saúde e demais agentes, que trabalham com alimentação e nutrição, poderão conhecer os valores nutricionais dos alimentos, o que apoiará ações de promoção da alimentação saudável, nutrição e saúde da população. Serão distribuídos 300 exemplares no evento de lançamento. A expectativa é de que, no segundo semestre deste ano, 40 mil tabelas sejam distribuídas para profissionais de saúde e para a sociedade científica. O material estará disponível nos sites dos ministérios da Saúde e do Desenvolvimento Social e da Unicamp. Conquista – O conhecimento da composição dos alimentos consumidos no Brasil é fundamental para o alcance da segurança alimentar no país. Até então, o Brasil não tinha um material nacional de consulta. Tabelas de composição de alimentos são fundamentais para educação nutricional e controle da qualidade e segurança. Esses dados são essenciais para ajudar pesquisadores de estudos epidemiológicos que relacionam as dietas aos riscos de doenças. As informações de nutrientes também podem orientar a agricultura e as indústrias de alimentos no desenvolvimento de novos produtos e apoiar políticas de proteção ao meio ambiente. Essas informações são necessárias também para a rotulagem nutricional, o que facilita os consumidores na escolha dos alimentos adequados e mais saudáveis. Os avanços na tecnologia, as mudanças de hábito da população e os constantes lançamentos de novos produtos no mercado fazem com que a construção de um banco de dados seja um processo contínuo e dinâmico. As versões elaboradas através do projeto Taco resultam de uma pesquisa que deve ser constantemente ampliada, tanto em número de alimentos quanto em número de nutrientes.

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.